SÍNDROME DO DIA DA SESSÃO MEDIÚNICA

S_w400_h24026.09.13 – SÍNDROME DO DIA DA SESSÃO MEDIÚNICA – pontos evidenciados: dos percalços naturais e provocados; da superação das dificuldades; acidentes ou provocações? Como se defender? Ligações psíquicas que precedem à reunião; relatos de ocorrências fisiopsicossomáticas; sensações comuns e incomuns: sonhos agitados, insônia ou pesadelos e mal estar; sintonia prévia do comunicante; confusões, vertigens, irritabilidade, mente confusa e choros imotivados no dia da reunião; diferenças e semelhanças de sensações psicológicas, psiquiátricas e mediúnicas; a importância dos estudos e a identificação físico-espiritual das sensações; o ver, julgar e agir que precedem à reunião mediúnica ; origem da felicidade do serviço mediúnico; 

Vemos em Missionário da Luz, cap. 16 – Incorporação : “Permite (Leonardo, o esposo de Otávia) que a consorte nos ajude, em vista da insistência de parentes consanguíneos dele, dedicados à nossa causa e que, influenciados por nós, não lhe permitem afastá-la.” (…) Assustada, a bondosa senhora sofreu tremendo choque nervoso que lhe atingiu o fígado, encontrando-se, no momento, sob forte perturbação gastrintestinal. (…) Oh! – Exclamei, fixando a pobre mulher – não teremos alguém que a substitua? Ela está quase cambaleante”. (…) não poderemos trazer alguém que faça as vezes de Otávia, dum instante para outro. (…) Nada de sessões! Hoje, não! (…) Leonardo foi atender e, em breves minutos, uma entidade desencarnada, muito simpática, penetrava o interior, acompanhando uma velha senhora de semblante acolhedor e risonho. (…) Ainda bem que a luta do dia terminou – disse a respeitada matrona, dirigindo-se à médium, depois das primeiras saudações -, vim até aqui para irmos juntas. (…) Otávia poderá ir, quando quiser, desde que seja em companhia.”. 
A – médium Otávia e suas dificuldades para comparecer ao Centro Espírita
A1- Observam-se os percalços que ocorreram na noite destinada à assistência desobsessiva. O esposo de Otávia, Leonardo, obsediado, proibiu-a de ir à Casa Espírita.
A2- Após longo preparo da equipe espiritual para a manifestação de determinado Espírito, a ausência da médium frustraria as expectativas dos lidadores desencarnados, ensejando consequências danosas.
A3- Solução por parte dos bons Espíritos: levar à casa de Otávia familiar de Leonardo, para convencê-lo a deixar que a esposa fosse ao Centro Espírita, que atendeu a contragosto dele e dos obsessores.
A4- Não é raro encontrarmos médiuns em luta árdua para frequentarem assiduamente a sessão mediúnica. Imprevistos e contratempos sempre aparecem. No entanto, a consciência de que estão integrados a um sistema de intercâmbio mediúnico complexo deve animar os médiuns na superação das dificuldades.
A5- Por isso, o dia da sessão mediúnica requer atenção para o êxito do trabalho.
A6- Horas antes da sessão, o manifestante liga-se psiquicamente ao médium para o estabelecimento da sintonia. A prece, o recolhimento, mesmo que por instantes, permitem o ajustamento fluídico entre ambos.
A7- Ainda conforme André Luiz, no mesmo livro acima citado e sobre esse prévio contato : “Conduzi-lo-ei em nossa companhia, deixando-o na residência da médium, com algumas horas de antecedência, para que você encontre facilidades no serviço da harmonização (…) Nesta parte da casa – explicou-nos o guia acolhedor – a nossa irmã Otávia costuma fazer meditações e preces. A atmosfera reinante, aqui, é, por isso, confortadora, leve e balsâmica. Estejam à vontade. Em vista de ser hoje um dos dias consagrados ao serviço mediúnico, terminará ela os trabalhos da refeição da tarde, mais cedo, a fim de orar e preparar-se.”
A8- Para o médium psicofônico, o dia da reunião de desobsessão tem características peculiares. Não raro, desde a noite que antecede o dia da sessão, o médium tem sensações ligadas ao trabalho, resultado do prévio encontro que tem com as entidades que serão atendidas.
A9- É comum ocorrerem sonhos agitados, insônia ou pesadelos e quanto o dia surge um mal-estar indefinido pode se apossar do medianeiro.
A10- Daí todo cuidado nas horas que precedem a reunião mediúnica, pois o médium estará captando e irradiando as emoções e os pensamentos do desencarnado.
A11- Um abatimento, um desânimo ou mesmo leve depressão podem invadir o psicofônico. Dependendo do grau de enfermidade do Espírito que se comunicará, surgirão dores pelo corpo. 
A12- Alguns apresentam inapetência. Conforme o caso, irritabilidade, choro sem motivo, pensamentos confusos, vertigem e outros. A esse conjunto de sinais e sintomas de percepção subjetiva nominaríamos de síndrome do dia da sessão mediúnica, pois são ocorrências episódicas que desaparecem após o transe, quando ficam normalizadas as funções mentais e orgânicas do médium.
A13- Tais sensações levam os médiuns sem o devido estudo e sem o adequado comprometimento a abandonarem a seara espírita. Ao contrário, o intermediário deveria sentir-se feliz por servir a uma causa de tamanha nobreza, qual a de socorrer, ao lado de entidades angélicas, os enfermos e os sofredores do plano astral. Necessitaria compreender que esse clima de tarefas lhe promove o aprimoramento da alma e disso não se queixar.
A14- Assim, o médium deve iniciar o dia da sessão de intercâmbio com a luz da oração, evitar desgastes físicos desnecessários, manter-se em tranquilidade mental, sem se furtar às obrigações pessoais, como o trabalho profissional e os deveres de família.
A15- Além disso, outros cuidados devem ser tomados, conforme apregoados no livro Desobsessão, do mesmo autor espiritual, André luiz: “no dia marcado para as tarefas de desobsessão, os integrantes da equipe precisam, a rigor, cultivar atitude mental digna, desde cedo – Cap. 1 (…) Estômago cheio, cérebro inábil – Cap. 2(…) Relaxe, com ideações edificantes – cap. 3 (…) Ligue as tomadas do pensamento para o Alto- cap. 4 (…) Necessário vencer os percalços que o tempo é capaz de oferecer – cap. 5 (…) Nada de vozerio, tumulto, gritos, gargalhadas “– cap. 11.
A16- O psicofônico não deve esquecer que está momentaneamente sintonizado com entidades sofredoras, perturbadas, enfermas e que se ele, médium, capta tudo isso das entidades, os desencarnados, por sua vez, colhem, igualmente, suas emoções e pensamentos. 
A17- Ainda conforme André Luiz – Cap. 12 , esclarecendo sobre a conversação antes da reunião: “Toda referência verbal é fator de indução.“ 
A18 – Além disso, a necessária abstenção das bebidas alcoólicas e do fumo.
A19- É nesse clima de recolhimento, de renúncia, de sacrifício que o médium se redime, se equilibra e culmina por vencer a si mesmo na grande jornada da ascese espiritual.

Receba o boletim informativo do GEAE

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo