LUIZ SÉRGIO, UM “RAIOZINHO DE SOL” NA ESCURIDÃO DAS DROGA

 

Por João Vieira

“Gritar, chorar, maldizer ou buscar nos vícios o alívio é perda de tempo. Para enfrentar a dor precisamos ter fé, somente ela banha o nosso espírito, dando-nos força para viver. Quem não possui fé morto se encontra, ou morre lentamente, porque só a fé sustenta o homem neste planeta de expiação e provas”. (Por Luiz Sérgio, em Driblando a Dor)

Em 1987, a Organização das Nações Unidas (ONU), estabeleceu o dia 26 de junho como o “Dia Internacional Contra o Abuso e Tráfico Ilícito de Drogas”. Essa data foi criada para conscientizar a população do mundo sobre esse assunto, enfatizando a necessidade de combater os problemas sociais criados pelas drogas, além de planejar ações de combate, a dependência química e tráfico de drogas.

Aproveitando a data, se faz necessário colocar em destaque o abnegado espírito Luiz Sérgio, que aprofundou estudos a respeito do assunto em suas obras; as que mais se detém sobre o tema, dentro do atual panorama da literatura espírita, mediúnica ou não. Raiozinhos de Sol é a equipe espiritual que Luiz Sérgio integra em suas obras, que resgata jovens para afastá-los do vício.

Luiz Sérgio, que nasceu no Rio de Janeiro, e junto com seus familiares, fixou residência em Brasília, estudou em colégios tradicionais do Plano Piloto; Nossa Senhora do Rosário (Irmãs Dominicanas), CASEB, Elefante Branco, cursou Faculdade de Engenharia Eletrônica na UNB e pertencia ao quadro de funcionários do Banco do Brasil. Desencarnou em um acidente de automóvel na madrugada do dia 12 de fevereiro de 1973.

No plano espiritual foi convidado as escrever dezenas de livros por meio da mediunidade psicográfica de vários médiuns, dando especial atenção ao trabalho e dedicação junto aos jovens em suas obras, onde descreve com detalhes, inúmeros casos de espíritos usuários de drogas e seus tormentos, e com linguagem simples, oferece-nos conhecimentos do mundo espiritual.

AMEAÇA AO JOVEM – Esse assunto drogas e suas implicações espirituais, é de tal importância que, diante de tal flagelo e das terríveis consequências que envolve a criatura humana, nós espíritas, não podemos deixar de considerar essa realidade e contribuir para a erradicação dessa assustadora ameaça que hoje assola a humanidade; mas sempre em sintonia com os ensinamentos do Espiritismo e seu propósito de bem servir e concorrer para a ascensão espiritual da criatura humana ás faixas superiores da vida.

Não podemos ficar indiferentes achando que essa tormenta vai passar. A droga está aí, matando, aleijando, e roubando a paz nos lares. A droga se encontra nas faculdades, colégios, escolas, núcleos de trabalho, política, cadeias, penitenciárias, enfim, ela está em toda parte. Precisamos nos unir para combater essa assassina impiedosa, cruel e bárbara que ronda nossos lares e todos os lugares. Chega de mansinho não escolhe classe social. Só deseja aprisionar cada vez mais a sociedade. O jovem, quando busca o tóxico, o faz por alguma causa, se buscarmos a origem, encontraremos primeiramente a fraqueza familiar, ou seja, pais inseguros: lar desequilibrado, filhos negligenciados ou superprotegidos, quer dizer, mimo ou desprezo. Ainda mais: dinheiro fácil, excesso de liberdade”, diz o autor.

Nós sabemos que grande parte dos usuários de drogas são jovens e que muitos deles iniciam no vício, geralmente, na escola e em idade cada vez mais prematura. Nesse sentido, a base para o não ingresso dos jovens nesse mundo quase sempre sem volta está na família e na escola. A primeira deve dialogar, conhecer as amizades, esclarecer sobre o perigo das drogas, e ensinar sobre valores humanos e valorização da saúde e da vida; jamais ficar falando, reclamando, porque de nada vai adiantar. A segunda pode promover palestras, depoimentos, visita de especialistas, médicos entre outros que estão diretamente envolvidos no processo de prevenção das drogas e tratamentos. Quem tem mais contato com o aluno são os professores, desse modo cabe a ele sempre que possível abrir momentos para discussões sobre o assunto. O professor desenvolve um grande poder de influência, além de ser um formador de opinião, e é justamente neste contexto que insere o seu papel. Em suma, o problema requer a participação dos pais e dos professores.

Nós precisamos unir forças e erguer bem alto a bandeira da educação, porque sem ela nada irá mudar, Jesus iniciou o processo educativo da humanidade, e o espiritismo veio dar prosseguimento e cumprimento a ele. O evangelho é a nossa cartilha, e o espiritismo o caderno de exercícios. Precisamos levar a mensagem para as almas que se encontram adormecidas e sonolentas das coisas espirituais. É tempo de despertar, de acordar espiritualmente, o despertador da dor está tocando. O evangelho de Jesus tem o poder educativo e transformador”, orienta Luiz Sérgio.

As Casas Espíritas, dentre elas o GEAE, estão empenhadas cada vez mais em ações de ordem preventiva e terapêutica; e a cada dia criando novos mecanismos de ação nesse campo, com a finalidade de combater o maior dos males que hoje afeta a humanidade: a droga. Como Pronto Socorros espirituais, contribui com os espíritos superiores no trabalho de prevenção e auxílio as vítimas nos dois lados, em ações como:  Evangelização de Crianças e Jovens, estimular a prática do evangelho no lar, em particular ao viciado e seus familiares; Corpo mediúnico, sublime exercício da mediunidade com Jesus, condição essencial de socorro à vítima das drogas, até mesmo as desencarnadas; Diálogo fraterno com o viciado e seus familiares, onde são colocados à disposição todos os recursos socorristas do tratamento espiritual; e Grupo de Apoio, que acompanha, esclarece e orienta o viciado, com fundamentação doutrinária, mostrando através de diversas orientações, o perigo das drogas.

Para os que se interessarem em ampliar reflexões sobre o panorama espiritual dos usuários de droga, ré recomendado conhecer as obras de Luiz Sérgio, para serem lidas, pensadas, analisadas, e que servem de ajuda para sair do universo das drogas. Seus livros mostram os efeitos terríveis e devastadores que o vício pode causar em toda uma família, desagregando-a, transformando-a em um verdadeiro inferno na existência de seus membros. “Ninguém destrói o espírito, porque só Deus conhece a composição desta chama de luz. Ele, ser perfeito, não mata, nem destrói”, avisa o autor.

Receba o boletim informativo do GEAE

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo