Terapêutica Vibracional

Terapêutica Vibracional

espaço e tempo

02/10 – A primeira aula do André Campos do módulo Terapêutica Vibracional, abordou o livro Espaço Tempo e Além – do autores FRED ALAN WOLF e BOB TOBEN – que é uma das teorias da física moderna que apontam para uma visão da realidade muito parecida com a filosofia Espírita e das obras de André Luiz.  A maneira como a mecânica quântica reconhece que a consciência do observador está ligada aos fenômenos observados só tem paralelo na evidência cientifica dos fenômenos ditos “paranormais” ou “mediúnicos”. No entanto, mesmo quando suas teorias não são meramente especulativas, os físicos evitam, com o maior cuidado, afirmar que elas dão explicações gerais sobre a realidade. Para eles, elas apenas funcionam matematicamente, explicando localmente certos fatos.

O que os autores de Espaço-Tempo e Além fazem é apresentar a visão que se teria do mundo se a física pusesse de lado essas barreiras da prudência. Com isso eles constroem uma visão alucinante do universo, onde a física assume o fascínio dos relatos mágicos e as explicações sobre a natureza da matéria ficam parecendo cosmogonias de alguma civilização extrafísica. Suas pretensões, no entanto, não são nada sensacionalistas, nem constituem um esforço que apele para o exagero a fim de divulgar, numa linguagem acessível, as ideias atuais da física, como se poderia concluir do estilo das ilustrações.

Seu propósito é justificado mesmo perante os físicos: a “física visionária”, como ele a baliza, seria mais uma “forma de arte” que outra coisa, dirigida principalmente à imaginação criadora, e capaz de fecundá-la com novas ideias.

homem gelo09/10 – Na segunda aula André Campos falou que a  medicina está sempre fazendo novas descobertas sobre a capacidade humana de suportar certas adversidades. Com base nisso, a pesquisadora sênior da National Geographic, editora e escritora Shelley Sperry, elaborou um quiz para testar os conhecimentos sobre os limites humanos e a revista National Geographic publicou esse resultado. Os dados foram levantados numa estimativa feita para um adulto homem de cerca de 68 quilos sem qualquer equipamento e que temperatura de água gelada poderia aguentar? A princípio ninguém em sã consciência daria um mergulho em águas gélidas para se divertir. Mas acidentes acontecem e se uma pessoa ficar exposta em águas de até 4ºC, não sobreviverá mais que 30 minutos. Águas muito frias absorvem a temperatura do corpo muito rapidamente. O holandês Wim Hof, aos 53 anos, coleciona 20 recordes no livro Guinness por suas façanhas em baixas temperaturas. Uma delas foi permanecer 1 hora e 52 minutos imerso num cubo de vidro com gelo até o pescoço, em Nova York. Ele também correu uma meia maratona (21 quilômetros) descalço no Círculo Ártico, a -20°C, usando um prosaico shortinho. Escalou os 5.895 metros do monte Kilimanjaro, o mais alto da África, sem nenhum agasalho. E nadou 80 metros só de sunga sob a crosta do Polo Norte.

A explicação do André Campos foi: “vivemos em um universo vibratório. O que parece ser um espaço vazio é a sede de uma energia ilimitada.” . Ainda segundo o facilitador, tudo tem origem no que os físicos chamam de Campo de Ponto Zero. Esse rótulo, sugerido por Albert Einstein e Otto Stern em 1913, tem muitos nomes na ciência. Também é chamado de campo subatômico, holograma quântico ou plenum, que significa “plenitude”. O teólogo o chama de Deus – a origem de todas as coisas. Alguns intrépidos acadêmicos estão até mesmo chamando o Campo de Ponto Zero de a mente de Deus.

Finalizou dizendo que o maior instrumento de poder de que se tem notícia se encontra dentro de nós, o nosso pensamento: “a partícula de pensamento, pois, como corpúsculo fluídico, tanto quanto o átomo, é uma unidade na essência, a subdividir-se em diversos tipos, conforme a quantidade, a qualidade, o comportamento e a trajetória dos componentes que a integram.”

Questão 27 de «O LIVRO DOS ESPÍRITOS» Deus, espírito e matéria constituem o princípio de tudo o que existe, é a trindade Universal.

cromoterapia-em-criancas16/10 – Na terceira aula André Campos trouxe um tema interessante – Cromoterapia que é a prática da utilização das cores na cura de doenças. A Cromoterapia vem sendo utilizada pelo homem desde as antigas civilizações — como Egito antigo, Índia, Grécia e China — com o objetivo de harmonizar o corpo, atuando do nível físico aos mais sutis. Para Hipócrates, saúde e doença dependem da harmonia entre meio ambiente, corpo e mente. Isaac Newton no século XVII conseguiu descobrir as cores do arco-íris friccionando um prisma. O cientista alemão Johann Wolfgang von Goethe, no século XVIII, pesquisou durante cerca de 40 anos as cores e descobriu que o vermelho tem propriedade estimulante no organismo, o azul acalma, o amarelo provoca sensações de alegria, e o verde é repousante. Esses efeitos são mais ou menos intensos, dependendo da tonalidade usada. No livro “E A VIDA CONTINUA” de Francisco Cândido Xavier/André Luiz, traz a seguinte referencia: “Qualquer aprendiz de ciência elementar, não desconhece que a chamada matéria densa não é senão a energia radiante condensada. Em última análise, chegaremos a saber que a matéria é luz coagulada, substância divina, que nos sugere a onipresença de Deus.” Em 1975, os físicos norte-americanos, Bob Toben e Fred Alan Wolf, enunciaram um postulado no livro: “Space Time and Beyond”, afirmando que a matéria é nada mais do que luz capturada gravitacionalmente. A física quântica descobriu que os átomos físicos são constituídos de vórtices de energia que giram e vibram constantemente. Cada átomo é um centro que gira e irradia energia e cada um deles tem uma assinatura (movimento) e constituição (moléculas) próprios. Por isso emitem coletivamente padrões de energia que podem ser identificados. Todo material no universo, incluindo você e eu, irradiamos uma assinatura energética única. O Cientista alemão Fritz-Albert Popp, que recebeu o Prêmio Max Planck, a maior comenda científica germânica e que foi nomeado ao Prêmio Nobel pelo descobrimento da luz fotônica celular ou biofotônica, afirma que as células também se intercomunicam através de luz e emissões magnéticas: “A Luz é um método biológico de comunicação intercelular”. Todos os organismos vivos, incluindo as células, se comunicam através de campos eletromagnéticos, emitindo fótons que são captados pelo resto. Dessa maneira, graças à comunicação celular, se ativam as ordens para formar os órgãos dos organismos vivos. Trata-se de uma réplica a nível microscópico da comunicação que também se dá entre as comunidades de animais. Corpo humano brilha, dizem cientistas, emitindo uma luz em quantidades e níveis muito pequenos que aumentam e diminuem no decorrer do dia, afirmam cientistas da Universidade de Kyoto, no Japão em artigo publicado esta semana na revista científica Plos One. Pesquisas já haviam demonstrado que o organismo emite luz visível, mil vezes menos intensa do que podemos perceber a olho nu. No livro Evolução em dois Mundos (1958), Andre Luiz afirma que a alma atua sobre o citoplasma, “através dos bióforos ou unidades de força psicossomática”. Os bióforos, portanto, são os que se encarregam de transmitir à célula a produção da mente “todos os seus estados felizes ou infelizes”. André Campos finalizou a aula dizendo que  existe relatos incontáveis de experiências de cura, das mais diversas desarmonias, atuando com luz colorida de diferentes cores e matizes.

30/10 – Em sua ultima aula André Campos falou sobre o veiculo  que serve de ligação magnética entre o corpo físico e o corpo espiritual (perispírito). O duplo-etérico é a sede dos centros de captação e reciclagem de energia, sendo responsável pela vitalização do corpo físico. Trata-se de uma Usina de Energia, onde ocorre a captação, filtragem, reciclagem e transformações de todas as energias que transitam entre o perispírito e o corpo físico. no livro NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNIDADE CAP. 11 PÁG. 99 (1955), nos relata que “A princípio seu perispírito ou “corpo Astral” estava revestido com os eflúvios vitais que asseguram o equilíbrio entre a alma e o corpo de carne, conhecidos aqueles, em seu conjunto, como sendo o “duplo-etérico”, formado por emanações neuro-psíquicas que pertencem ao campo fisiológico e que, por isso mesmo, não conseguem maior afastamento da organização terrestre, destinando-se à desintegração, tanto quanto ocorre ao instrumento carnal, por ocasião da morte renovadora.” . Em outra obra literaria  EVOLUÇÃO EM DOIS MUNDOS – 1ª PARTE – CAP. 17 PÁG. 128 (1958), fala que “No homem, contudo, semelhante projeção surge profundamente enriquecida e modificada pelos fatores do pensamento contínuo que, em se ajustando às emanações do campo celular, lhe modelam, em derredor da personalidade, o conhecido corpo vital ou duplo etéreo de algumas escolas espiritualistas, duplicata mais ou menos radiante da criatura.”  Quando o duplo-etérico se separa do corpo carnal provoca no homem uma redução de vitalidade física e queda da temperatura. O duplo-etérico incorpora em si toda a carga de éter-físico que o homem absorve através do alimento, da respiração e das emanações físicas do orbe. Por isso os médiuns deveriam ter o máximo cuidado em evitar alimentos que possam ofender o seu duplo-etérico, pois é dele que derivam os fenômenos mediúnicos de natureza mais física (fenômenos mediúnicos de efeitos físicos). No dia do trabalho mediúnico deve-se evitar comer alimentos pesados ou comer demais, isto porque a digestão consome muita energia vital de funcionamento do organismo. Com isto dificulta-se o desprendimento do duplo-etérico e do perispírito, atrapalhando o desenvolvimento dos trabalhos mediúnicos. Aconselha-se que no dia de reuniões mediúnicas o médium consuma frutas, que concentram grande quantidade de energia vital e facilitam o desprendimento e as percepções mediúnicas. André Campos abordou o tema ECTOPLASMA, termo criado por Charles Richet. É uma substância que se acredita seja a força nervosa e tem propriedades químicas semelhantes as do corpo físico, donde provém. Apresenta-se viscoso, esbranquiçado (quase transparente, com reflexos leitosos) e é evanescente sob a luz. É considerado a base dos efeitos mediúnicos chamados “físicos”, pois através dele os espíritos podem atuar sobre a matéria. O corpo etérico é o principal responsável pela elaboração do ectoplasma, portanto participa diretamente na mediunidade de efeitos físicos e materialização dos espíritos. Segundo o espírito André Luiz, o ectoplasma está situado entre a matéria densa e a matéria perispirítica, assim como um produto de emanações da alma pelo filtro do corpo (duplo etérico), e é recurso peculiar não somente ao homem, mas a todas as formas da Natureza. Podemos concluir que o ectoplasma encontra suas matérias primas nos fluidos resultantes da alimentação, da respiração e da atividade celular do nosso organismo físico.  A palavra ectoplasma dá idéia de que se trata de algo único, mas na verdade é um grande conjunto, formado pela combinação dos fluidos do espírito com o fluido animalizado do médium e com os fluidos ambientes. Na obra “Nos Domínios da Mediunidade”, Áulus explica-nos o seguinte: “- Aí temos o material leve e plástico de que necessitamos para a materialização. Podemos dividi-lo em três elementos essenciais, em nossas rápidas noções de serviço, a saber: Fluidos A – representando as forças superiores e sutis da esfera espiritual; Fluidos B – definindo os recursos do médium e dos companheiros que o assistem; Fluidos C – constituindo energias tomadas à natureza terrestres. Os Fluidos A podem ser os mais puros e os Fluidos C podem ser os mais dóceis; No entanto os Fluidos B, nascidos da atuação dos companheiros encarnados e, muito notadamente, do médium, são capazes de estragar os mais nobres projetos. Nos círculos em que os elementos A encontram segura colaboração de B, a materialização de ordem elevada assume a sublimidade dos fenômenos. Dr. G. Warld (Prêmio Nobel Medicina) diz que baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos – hipóxia, pode gerar doenças como o câncer. A UNICAMP – Os pesquisadores descobriram que a oferta de oxigênio pode diminuir as lesões celulares. A Revista cientifica “NATURE” pesquisa indica que o crescimento dos tumores costuma ser acompanhado de baixos níveis de oxigênio nas células, o que favorece que a doença passe de órgãos a outros e impede que os tratamentos tenham sucesso. André Campos finalizou sua aula com um belo texto  sobre Desenvolvimento das faculdades radiantes do espírito André Luiz:  “Quando na Crosta, envolvidos pelos fluidos mais densos, poderemos desenvolver a capacidade radiante, depois da edificação de nossa boa vontade real, a serviço do próximo. Conseguida a qualidade básica, o candidato ao serviço precisa considerar a necessidade de sua elevação urgente, para que as suas obras se elevem no mesmo ritmo. Falaremos tão-só das conquistas mais simples e imediatas que deve fazer, dentro de si mesmo. Antes de tudo, é necessário equilibrar o campo das emoções. Não é possível fornecer forças construtivas a alguém, ainda mesmo na condição de instrumento útil, se fazemos sistemático desperdício das irradiações vitais. Um sistema nervoso esgotado, oprimido, é um canal que não responde pelas interrupções havidas.  A mágoa excessiva, a paixão desvairada, a inquietude obsidente, constituem barreiras que impedem a passagem das energias auxiliadoras.  Por outro lado, é preciso examinar também as necessidades fisiológicas, a par dos requisitos de ordem psíquica. A fiscalização dos elementos destinados aos armazéns celulares é indispensável, por parte do próprio interessado em atender as tarefas do bem.  O excesso de alimentação produz odores fétidos, através dos poros, bem como das saídas dos pulmões e do estômago, prejudicando as faculdades radiantes, porquanto provoca dejeções anormais e desarmonias de vulto no aparelho gastrintestinal, interessando a intimidade das células.  O álcool e outras substâncias tóxicas operam distúrbios nos centros nervosos, modificando certas funções psíquicas e anulando os melhores esforços na transmissão de elementos regeneradores e salutares. (Ver: Vício )  Levada a efeito a construção da boa vontade sincera, o trabalhador leal compreende a necessidade do desenvolvimento das qualidades a que nos referimos, porquanto, em contato incessante com os benfeitores desencarnados, que se valem dele na missão de amparo aos semelhantes, recebe indiretas sugestões de aperfeiçoamento que o erguem a posições mais elevadas”.[16a – página 298] – André Luiz

 

 

 

 

Receba o boletim informativo do GEAE

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo