TEMÁTICA ESPÍRITA CONSOLIDA ESPAÇO NA TEVÊ

Rede Globo retoma o assunto em novela e no programa “Fantástico”

Da Redação

 

No “Fantástico”, Divaldo conduz sessão mediúnica e psicografa mensagem Foto: Portal G1

Um médico que descobre sua mediunidade já na vida adulta e suas peripécias são o ponto central da novela Alto Astral, que a rede Globo exibe no horário das 19h. Mantendo o Espiritismo em pauta, a emissora avança na abordagem e aproveita a trajetória de Caíque (interpretado pelo ator Sergio Guizé) para discutir aspectos como a ligação cármica entre as pessoas, as diversas formas de mediunidade e suas manifestações, a existência de mentores espirituais e até mesmo a possibilidade do mau uso da mediunidade e seus reflexos. A Globo não parou por aí: em fevereiro, o programa Fantástico exibiu reportagem especial com o médium Divaldo Franco, mostrando o projeto social que ele conduz na cidade de Salvador (BA) há 63 anos. Considerado como sucessor de Chico Xavier, Franco autorizou a filmagem e exibição de uma sessão mediúnica em que psicografa mensagens pela primeira vez. Líder de audiência nos domingos, o programa registra uma média de 20 pontos no Ibope, impactando mais de 1,3 milhão de telespectadores.

O Espiritismo tem feito parte não apenas da dramaturgia, mas também dos programas jornalísticos e de entretenimento da principal emissora do país, movimento percebido também em outras redes abertas como a TV Bandeirantes e Rede TV. Pesquisa na internet demonstra uma consolidação da temática espírita nas tramas da Globo a partir de 2010: de lá para cá, a emissora tem exibido ao menos uma novela com esse ingrediente por ano. Nos anos de 2010, 2012, 2013 e 2014, temas associados ao Espiritismo foram apropriados em duas das três novelas da programação global – nesse período, tiveram repercussão a novela Jóia Rara, que misturou Espiritismo e Budismo; e o seriado A Cura, que discutiu a cirurgia espiritual e a reencarnação. O assunto tem sido explorado com frequência também nos programas matinais Mais Você (apresentado por Ana Maria Braga) e Encontro (ancorado por Fátima Bernardes).

Na telinha – A apresentação do Espiritismo na televisão brasileira começou em 1944, tendo como personagem principal o médium Chico Xavier. Foram percorridos mais de 20 anos, entretanto, até o que o assunto entrasse no enredo dos folhetins. Primeira emissora a abordar o Espiritismo na televisão brasileira, a extinta TV Tupi marcou o imaginário nacional com A Viagem, novela exibida em 1975, no horário das 20h – a Tupi já apostara no assunto em 1966, quando levou ao ar Somos Todos Irmãos, primeiro folhetim inspirado em um romance espírita (no caso, A Vingança do Judeu, psicografado pela médium russa Vera Kryzhanovskaia). Clássico de Ivani Ribeiro, uma das grandes damas da dramaturgia nacional, A Viagem foi refilmada e exibida pela Globo em 1994.

Cena da novela em que o médico Caíque (Sergio Guizé) é seguido pelo espírito do dr. Castilho (Marcelo Médici), seu mentor espiritual Foto: Portal GShow

Em Alto Astral, a emissora dá ênfase à influência dos mentores espirituais e discute o impacto de vidas passadas no presente das pessoas. Atormentado por visões e outras manifestações mediúnicas desde a infância, o médico Caíque reencontra um amor do passado e chega a ser internado em uma clínica, diagnosticado com esquizofrenia. Quando finalmente consegue sair, descobre que não está doente, ouve falar pela primeira vez sobre mediunidade e é aconselhado a procurar uma casa espírita, onde encontra não apenas a paz mas, principalmente, passa a canalizar sua mediunidade para melhor atender e curar seus pacientes. Ganhou espaço na trama a figura do doutor Castilho, seu mentor espiritual, que o orienta e revela passagens de outras vidas para que ele compreenda seus problemas e mantenha-se firma na missão atual.

Segundo dados do Ibope, Alto Astral registra média semanal de 21 pontos de audiência, desempenho conquistado também com doses de humor. Se o médico Caíque demonstra didaticamente como a espiritualidade pode ser canalizada para o bem, personagem interpretado pela atriz Cláudia Raia (a vidente Samantha) tem exposto as consequências do mau uso dessa faculdade em cenas hilariantes. Aproveitando a mediunidade para prejudicar pessoas e conquistar objetivos materiais, a vidente foi abandonada por seus mentores espirituais e agora ensaia uma recuperação. Caberá a Samantha libertar dezenas de mulheres mantidas em um harém após terem sido enganadas com promessas de trabalho e dinheiro no exterior. A novela tem final previsto para o mês de maio.

 

Receba o boletim informativo do GEAE

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo